Busca no Blog

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A melhor estréia: Homeland (Episódios 01x01 a 01x05)

Em minha opinião, Homeland é a melhor série estreante desse ano. Confira.
Setembro, Outubro e Novembro é tempo de estreia das principais séries nos Estados Unidos (o chamado Fall Season). Nessa época, há a continuação de muitas séries e é claro as  estréias de novas. Nessa última temporada, eu comecei a assistir um número recorde de séries novas (para mim), entre elas estão: The Lying Game, Ringer, Unforgettable, Prime Suspect, Once Upon on Time, Grimm, A gifted man, Person of interest e é claro Homeland. Empolguei com séries, não? Ha.Ha.Ha. Mais empolgada ainda estou com Homeland, que  nos últimos episódios tem me dado um sede quase obsessiva de assistir e buscar informações  sobre ela. A série tá muito boa!
Há certas desvantagens em empolgar com séries novas, ou talvez com séries novas da TV  a cabo,  e que  não tem tanta repercussão no Brasil quanto eu gostaria que tivesse. Não há tantas informações, vou dar um exemplo com Fringe, que passa na sexta, no sábado e domingo já tem um monte de reviews sobre a série em português (nunca precisei recorrer a sites internacionais para matar a minha fome de Fringe, haha, e essa fome é grande). Já Homeland, que passa no domingo, só consegui encontrar a primeira review dela em português na quarta (e ainda era de um comentarista Português), e uma segunda só na quinta e bem pequena. Assim,  nunca li tanta review em inglês. Outro detalhe é a legenda de Homeland (caros legendadores não estou reclamando de vocês pessoalmente, pelo contrário agradeço muito o esforço de todos, mas a sede tem sido muito forte nos últimos dias haha). Com Fringe, a legenda é liberada no sábado a tarde, já com Homeland é liberada normalmente no fim da quarta-feira, lá pelas 22 ou 23 horas. Resultado: dos 6 episódios, só consegui esperar a legenda em 2 e isso porque, se não me engano, teve uma vez que a legenda saiu na terça.
Dessa forma, me veio a ideia de escrever sobre a série, sinceramente gostaria que as pessoas que a assistem  participassem e discutissem mais sobre ela. E para quem não está vendo, comece, em minha opinião, a série está maravilhosa, intrigante e imperdível. Tô muito empolgada, não?

>>>>> A história <<<<<
Um árabe prestes a ser executado revela a Carrie Mathison, uma agente da CIA, que um prisioneiro de guerra  mudou de lado, sem mais detalhes. Meses depois e de volta aos EUA, Carrie descobre que o soldado norte americano, Nicholas Brody, foi encontrado em poder de terroristas depois de 8 anos dado como desaparecido. Brody volta ao Estados Unidos como héroi, mas Carrie passa a desconfiar sobre as reais intenções dele. 

 >>>>> Spoliers abaixo <<<<<
O primeiro episódio já prende a atenção jogando pistas sobre se Carrie pode estar errada ou não. Seguindo as suas suspeitas, ela coloca equipamentos na casa do soldado para vigiá-lo. É como um realitty show da família Brody, que é composta por Jessica, a esposa, que aparenta ter esperado resignada o marido por 8 anos, mas na verdade já tinha dado um novo rumo a sua vida e estava tendo um caso com o melhor amigo de Brody, Mike. Dana, a filha adolescente rebelde que gosta de desafiar a mãe, e para isso consome drogas dentre outras coisas. E Chris, um garoto que era tão pequeno quando o pai sumiu que nem se lembra dele.
Assim, Brody volta. A primeira noite com a esposa é bizarra. Jess já tenta recebê-lo de forma agradável, ou seja, com bonitas roupas íntimas e inclinada ao sexo. Mas ela se assusta com as cicatrizes nas costas de Brody,  e ele nem dá tempo da esposa se recuperar, já vai para cima, sem preliminares ou carinho, e acaba tendo uma relação sexual aparentemente dolorosa (para Jess) e violenta. No mais, Brody age de forma robótica, e realmente é estranho o fato dele estar vivo e ter sido mantido como prisioneiro depois de tanto tempo. A ideia é que ele passou alguma informação ou os terroristas teriam outro propósito para ele. Mas não existe indícios mais fortes para acreditar que ele mudou de lado, pelo menos inicialmente.
Carrie observa tudo, até a cena de sexo e parece está obcecada por Brody. A personagem é bem paróica. Ela parece ter tanta certeza, mas não tem fato nenhum. E nada tira da sua cabeça que Brody está trabalhando para o terrorista Abu Nazir. Durante o primeiro interrogatório na CIA, ela já pergunta a Brody sobre ele. E esse nega o ter conhecido, mas através de flashbacks, percebemos que isso é uma mentira. São ingredientes simples para deixar o público em dúvida, além dessas, há as imagens de Brody espancando um colega(que acaba morto) a mando dos terroristas. Será que Carrie está mesmo certa? Para complicar, ela toma remédios, sem que a CIA saiba, para alguma desordem psquiátrica, será que não são apenas delírios de uma louca?
O colega e mentor de Carrie, Saul descobre a vigilância ilegal sobre Brody, e ameaça denuncía-la. Assim acontece algo muito constrangedor, ela se insinua ao homem que a treinou. Saul não é esse tipo de pessoa, e o relacionamento entre os dois é baseado em outros fatores. E por isso ela perde toda confiança dele. Pontos para Saul, que fica enojado com a atitude da colega. E vai embora.
Carrie parece estar no fundo poço no fim do primeiro episódio. Mas ela descobre algo, Brody faz sinais estranhos com mão toda vez que aparece na televisão, indícios de algum tipo de código secreto. O que faz com que Saul volte atrás na ameaça e consiga uma ordem judicial para ela continuar a vigilância por mais algum tempo.
Depois de voltar a casa, Brody entra num período estranho. Não sai muito, permanece em uma mesma posição por horas, e esconde isso da família. Seria isso problemas relatativos aos traumas que passou quando era prisioneiro? Ou é apenas um período de dúvida, se vai ou não seguir os planos terroristas, como Carrie acredita? O soldado mostra ter pesadelos, e em certa cena, Brody limpa a garagem e reza como se fosse mulçumano. O governo o quer como garoto propaganda e ele inicialmente  recusa. Quer ficar isolado. Mesmo com a visita de Mike pedindo para ele reconsiderar. Mas após a oração,  se "rende" e acaba se tornando o garoto propaganda pró-guerra do governo.
O relacionamento de Brody com a família continua bem estranho e até mesmo contraditório. Com a filha rebelde Dana, ele se dá muito bem. Brinca e conversa. E até dá uma de paizão ao contar sobre o passado dele e da mãe, sendo uma forma de pedir a ela para pegar mais leve com Jess. Com o menino bonzinho Chris já é bem diferente. Eu teria um verdadeiro pavor do meu pai se fosse ele. Ele bateu num jornalista que tentava tirar fotos deles na frente do garoto, e matou um veado que cercava a casa durante uma festa cheia de convidados (e o menino sempre olhava o animal admirado). Além de que, o pai prometeu ir com Chris na sua troca de faixa no karatê e acabou não cumprindo. Mesmo depois de Brody conversar com o filho, e Chris sempre demonstrar que torce pelo recuperação do pai, a relação dos dois não é muito boa.
Com  Jess as coisas são mais complicadas ainda. A esposa  não contou a Brody sobre seu romance com Mike. Mas há bastante suspeitas. Mike está sempre por perto, ajuda Jess a cuidar dos filhos, quando há problemas ela sempre recorre a ele, e ele é bastante atencioso com Jess. Brody já até pediu para o amigo ficar um pouco longe, mas ele continua espreitando.É irritante. Há sempre um clima de desconfiança em relação nesse triângulo amoroso. Dana sabe do caso, ameaçou, mas no fim preferiu não contar nada. E Jessica busca se reaproximar do marido. E ele a repele. Em um episódio, Brody se prepara para dormir no chão (aparentemente depois da violenta primeira relação, Brody não teve outras com a mulher, e parece que ele não está muito funcional em relação ao sexo), ela o procura cheia de afagos, ele pede para ela tirar a blusa, mas em vez de tocar a esposa, ele só a observa enquanto se masturba. Cena muito humilhante essa. Foi triste, até Carrie que observa tudo, afasta a tela com um certo nojo. Os conflitos foram tantos que Jess coloca Brody contra parede e faz com que ele procure ajuda. E nisso mais uma história se desenrola.
Voltando a Carrie, apesar dela "viver" para o trabalho, sua família também aparece, ela tem uma irmã médica, que fornece(por baixo dos panos) os remédios para controlar sua doença , duas sobrinhas e um pai que sofre do mesmo mal que ela. O motivo da rixa entre ela e David Estes (o chefe na CIA) também é explicado. Os dois tiveram um caso e isso acabou ocasionando o divórcio dele.
Carrie continua com a vigilância, e  nas horas vagas, haha, uma informante, Lynne, a namorada profissional de um príncipe árabe, entra em contato, e mostra um vídeo do encontro do príncipe com Abu Nazir. O reaparecimento do terrorista dá indícios do planejamento de um novo ataque. Lynne continua espionando o príncipe. Que parece gostar dela. E lhe dá um colar de diamantes bem valioso. Mas ela desconfia quando o secretário do príncipe,  pede a ela algo diferente. Ela telefona a Carrie, suspeitando de um perigo eminente. E Carrie vai até a moça, mas quando ela chega, Lynne já foi asassinada e o colar roubado. Apesar de toda a vigilância em relação ao príncipe não ter dado muito resultado. As suspeitas vão todas em cima dele. Mas Carrie, constata que o príncipe ficou sinceramente triste e acaba descobrindo que o verdadeiro aliado de Abu Nazir é o secretário, que usou o dinheiro obtido com a venda do colar para financiar o terrorista. Com esse dinheiro um casal,  Faisel ( de origem árabe) e Aileen ( loira de olhos claros), vão morar numa casa perto do Aeroporto.
O prazo de vigilância à casa de Brody acaba. E não tendo prova alguma em relação ao envolvimento dele com terroristas, Carrie, com a pressão de Saul, é obrigada a retirar as câmeras e escutas da casa do Sargento. È até engraçado no último dia de vigilância, como Carrie está habituada com o dia-a-dia da família, sabendo até onde os objetos pessoais de Brody foram colocados. Mas a sua obsessão não termina aí. Ela continua seguindo o sargento. E quando ele vai a um grupo de ajuda de veteranos, por causa de Jessica, ela acaba entrando e fingindo um encontro casual. "Constrangida", Carrie foge, e Brody a segue. Mostrando interessado (sorridente, cheio de olhares) e simpático com ela. Nessa parte, não há vestígios do Brody robótico, ele parece está muito a vontade com Carrie, como se os dois possuisem algum laço. Eles acabam conversando veladamente sobre suas experiências e a falta de confiança. Até que começa a chover e Carrie vai embora, enquanto Brody feliz da vida, fica parado observando-a.  Bem romântico, não?
Após esse encontro, eles capturam Afsal, um dos terrorista responsável por torturar Brody. Carrie e Saul são chamados para interrogá-lo, e são informados que contarão com a ajuda de Brody nisso. Além disso, ela também investiga pessoas suspeitas de terem vendido o colar de Lynne. Eles chegam a perseguir Faisel,  mas alguém consegue avisá-lo sobre isso, e ele acaba sendo descartado como suspeito. A grande questão seria quem o avisou, demostrando que há alguém infriltado na CIA. A vida pessoal de Saul também é abordada, sendo aparentemente um homem que vive para o trabalho, prestes a ser abandonado pela esposa.
Brody é chamado pela CIA e  se encontra com Carrie, que age como se o episódio da chuva não tivesse acontecido. Carrie e Brody ficam em uma sala separada enquanto Saul faz perguntas diretamente a Afsal. Guiado por Carrie, Brody conta alguns detalhes sobre Afsal, e até sobre as torturas que sofreu. E através de flashacks, é mostrado que realmente o terrorista humilhou e machucou Brody. Saul fala da família do terrorista, do perigo que eles correm, mas Afsal não conta nada. Eu realmente achei interessante a forma como o interrogatório foi feita. Saul realmente foi muito bom nele. Carrie dispensa Brody, mas ele pede uma chance de confrontar Afsal, que é negada por ela, com a desculpa de que não tem autorização. 
Afsal passa a noite sendo observado, e  impedido de dormir. Depois disso, ele concorda em falar, e como sinal de "boa fé",  passa  um e-mail para os agentes. E esse aponta diretamente para Faisel. Então, Carrie percebe que ele foi liberado precocemente, descobre a casa perto do aeroporto e vai atrás dele. Enquanto isso, Brody consegue a autorização com Estes para enfrentar Afsal. Depois de uma conversa, ele acaba brigando com o terrorista, e entre alguns fatos interessantes eles falam algumas coisas em árabe. Realmente seria bom saber o que foi dito nessa passagem. 
Enquanto Carrie, está monitorando a casa de Faisel. Saul conta a Carrie, que Afsal se suicidou com uma lâmina de barbear. O interessante é que Saul reza pelo terrorista e não o usa inglês para isso. Poderia ser hebraico ou árabe, não sei, mas de certa forma isso é suficiente para colocar um pouco de suspeita em Saul. Carrie invade a casa, mas a encontra vazia.
Quando finalmente eles pareciam ter muitas informações em mãos, eles perdem tudo. A situação parece de certa forma, desoladora. Carrie procura Saul e mostra as imagens onde Brody e Afsal tiveram seu embate. Mas não mostra Brody entregando nada ao terrorista. Saul mantém sua decisão de não investigar Brody, e Carrie, frustada , vai embora, desistindo quase de tudo. Mas uma noite na casa da irmã a faz lembrar da importância do seu trabalho  e ela volta atrás. Assim termina o quinto episódio.
Depois de tantos acontecimentos, não há realmente nada concreto que ligue Brody aos terroristas. Mesmo para o público, que sabe sobre os flashbacks. Ainda há essa dúvida. Os personagens realmente são muito bem construídos e enigmáticos. Mesmo com todas as ações de Brody, eu de certa forma ainda tenho uma simpatia por ele, e acredito que se ele realmente for um terrorista essa simpatia irá continuar. Do outro lado, Carrie também é ótima, cheia de defeitos, complicada e mesmo assim carismática. Adoro o ritmo da série soltando algumas pistas,  mostrando mais sobre os personagens, criando situações e as amarrando de forma magistral. È muito interessante. Cheia de tensão. Revelação após revelação. Mortes, brigas, intrigas e o mistério principal continua sem uma resposta definitiva e ainda assim muito interessante. Brody é ou não um terrorista? Muitas vezes parece que sim, e outras que não. Essa maneira de soltar doses homeopáticas do mistério principal é emocionante. E dessa forma,  Homeland realmente me prendeu em sua teia.
Review do Episódio 01x06 - The Good Soldier

Interessante para quem gosta de escrever, tanto para fanfics quanto para blogs: www.fanfictionbrasil.com.br (ensina escrever de maneira mais rápida e objetiva, podendo até aproveitar isso para ganhar algum dinheiro)

2 comentários:

  1. Brody orando como um muçulmano na garagem da casa é suspeito
    Brody sabendo como enganar o polígrafo, também é suspeito.
    Você viu a cena da briga do brody com o terrorista, e atrás David Estes parece colocar alâmina na mesa?

    ResponderExcluir
  2. Vi, ele parece ir em direção a mesa sim. Acho que Estes também um suspeito forte, e pode ser que ele seja sim, já que no último episódio um pouco das atenções foi voltada para Saul. Há suspeitas sobre Brody sim,o fato de ter se tornado mulçumano, o fato de ter espancado o colega, e claro ter mentido no poligrafo, mas a verdade creio que ele mentiu para provocar Carrie, pois afinal qual seria o problema em ele ser infiel para a CIA. Ela sabia que ela estava lá, olhou para Câmera como se respondesse para ela.

    ResponderExcluir